A Secretaria Municipal de Educação (Semec) retomou, em 2021, as discussões sobre a atualização do currículo da Educação Infantil de Teresina, com orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Em dezembro, o trabalho foi com oficinas envolvendo professores, coordenadores pedagógicos, diretores de escolas e técnicos da Semec.

Em quatro oficinas, os grupos analisaram a minuta que já vinha sendo construída por especialistas formadores. Agora, os educadores fizeram novas contribuições com base em suas experiências dentro das unidades de ensino. As oficinas foram divididas por etapa escolar da Educação Infantil, do berçário ao II Período, além do caderno introdutório.

De acordo com Carmem Portela, membro da equipe de reformulação do currículo na Semec, o objetivo é ter um processo aberto e democrático, com olhares plurais. “Discutimos amplamente a minuta, que foi muito bem aceita pelo grupo, colhemos as contribuições e vamos consolidar essas múltiplas perspectivas no documento. As oficinas foram bem proveitosas.”, informa Carmem.

Para a professa Layze Pessoa, do CMEI Tia Lygia, a ideia de ter muitas cabeças pensando na qualidade da Educação Infantil de Teresina é maravilhosa. “Juntos fazemos mais. Achei o documento muito bem elaborado e melhor ainda será com nossas opiniões, de quem está no ‘chão da escola’”, disse Layze. Segundo ela, o que mais chamou atenção foi o planejamento pedagógico para os bebês. “É inovador, até então o berçário não tinha esse suporte pedagógico, orientações que serão base para uma rotina melhor com os bebês”, completou.

A diretora Clara de Assis, do CMEI Tom Jobim, também está participando das discussões. “Quero parabenizar a equipe que está à frente da escrita da reformulação do currículo de Teresina, pois tem colocações pertinentes e fundamentações relevantes. Nossa análise foi importante para incrementar com a vivência prática da Educação Infantil”, pontuou.

A gestora também destacou a ênfase nos bebês. “Cada vez mais Teresina vem ampliando as turmas de berçário e os profissionais da Educação mereciam um currículo que contemplasse essa faixa etária. Foi um momento rico de troca de experiências e tem sido muito bom participar”, concluiu.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).

#nome{ width: 49%; float: left; }